Rapper Sumano lança o álbum Filho do Vento nesta sexta, 23.


Diretamente do Rio Anapu, interior do Pará, Sumano lança álbum de estreia com 7 faixas


O rapper Sumano em foto de Jerê Santos.


Nesta sexta, 23 de abril, o rapper Sumano lança seu primeiro álbum Filho do Vento. Do interior de Igarapé-Miri, da Vila Menino Deus do Anapu, o rapper preto, ribeirinho e vindo do movimento social do campo, Sumano apresenta um álbum com músicas que mostram a força da vivência no campo e o rap como projeção de voo. Entre o rio e os campos de terra de futebol, Sumano viu na Vila Menino Deus características, em tese, de cidade grande em paradoxo: a criminalidade, o tráfico e o racismo, bem como a produção de arte, conhecimento e cultura. É desse cotidiano que nasceu seus versos em Filho do Vento, álbum lançado nas principais plataformas digitais de música, contemplado pelo edital de Cultura Urbana Periférica da Lei Aldir Blanc Pará com produção executiva da Psica Produções.


Filho do Vento traz sete faixas e faz uma conexão com a cidade de Castanhal e o bairro do Guamá, da capital paraense na faixa Frio, que combina um beat calmo com rimas que trazem o orgulho de contrariar a estatística brasileira que violenta homens negros. A faixa traz as participações de Kratos, rapper da Baixada do Milagre - periferia de Castanhal, e Daniel ADR, rapper da periferia belenense.


O álbum conta história desde a capa, em que o rapper camponês deu protagonismo para um menino empinando pipa na Vila, já que, em meio aos preconceitos e o descaso do poder público, essa era a válvula de escape de Sumano, assim como hoje para as demais crianças da comunidade. Contudo, Anapu, como chama, não é apenas histórias de rejeição, é a festa comunitária, os torneios de futebol. Inclusive, a brincadeira exposta na capa também expressa a simplicidade e capacidade de reinvenção da comunidade. E o rapper enfatiza: “nós tornamos a felicidade possível”. E na reinvenção, os meninos da Vila Menino Deus produzem diversas histórias, como a do menino empinando pipa que, mesmo numa estrutura desfavorável, faz isso com prazer. E, da pipa, projeta seu vôo.


“Esse menino representa a mim mesmo tentando levantar minha carreira dentre desafios, como morar no interior de um município do interior” explica Sumano.

TRAJETÓRIA - O rap surgiu na vida de Sumano ainda na escola, antes mesmo do ensino médio. Na beira do igarapé, escutava no celular as letras de Racionais MCs com seu primo, o que lhe inspirou a fazer as primeiras rimas aos 13 anos. Em 2015 começou a cantar em público em escolas, eventos de movimentos sociais e universidades. Já em 2018, Sumano passou a se apresentar em batalhas de rap. E em 2019 em bailes e festivais.


Mas foi em 2020 que lançou seus primeiros singles: Novo Sol e Tudo Ladrão, que contam com 6 mil e 2 mil visualizações, respectivamente. No mesmo ano, Sumano cantou no Psica Festival - que foi palco de artistas de grande expressão nacional, como Luedji, Sepultura e Djonga. Ainda em 2020 aprovou um projeto de álbum pela Natura Musical. Agora inicia 2021 com seu álbum curto, Filho do Vento, com 7 faixas.


Serviço

| O QUÊ: Lançamento do álbum Filho do Vento do rapper Sumano

| QUANDO: 23 de abril de 2021

| ONDE: Principais plataformas de streaming

| MAIS EM: Instagram do artista

Com informações da assessoria de imprensa.


#música

#lançamento

#álbum

#filhodovento

#rap

#sumano

#leialdirblanc

8 visualizações