Festiverde reúne música, arte e sustentabilidade nesta quinta e sexta

Evento online e gratuito apresenta shows, entrevistas e debate


Leo Chermont que é uma das atrações do festival.

Idealizado para ser um ponto de encontro e de diálogos entre artistas, produtores e especialistas em meio ambiente, a primeira edição do Festiverde apresenta uma programação voltada para unir música, arte e sustentabilidade. Totalmente online , o evento será apresentado nesta quinta (25) e sexta-feira (26) no Instagram e YouTube do festival. O evento é uma realização da Lei Aldir Blanc Pará, via Governo do Pará e Secretaria de Estado de Cultura (Secult), e Governo Federal, via Secretaria Especial da Cultura e Ministério do Turismo.


De acordo com Erik Lopes, idealizador e organizador do Festiverde, o objetivo é levantar discussões sobre a necessidade de se pensar novos modelos de atuação para a cadeia produtiva da cultura e nas atividades artísticas, com foco na redução de impactos ao meio ambiente, como por exemplo, compensação de emissões durante a produção ou a geração de lixo e o destino final de produtos consumidos em festivais e shows, que reúnem grande número de pessoas.


“Eu trabalho em uma ONG ambiental e sou músico, então gostaria de realizar um evento que unisse essas duas áreas. A ideia já tem uns três anos e eu queria fazer de forma presencial, mas acabamos tendo que adaptar neste momento. Moramos em Belém, na Amazônia, e esse é um debate que precisamos ter mais contato para pensarmos de que forma os impactos ambientais podem ser reduzidos na cidade e na região. É um tema urgente”, defende Erik Lopes.

O evento terá shows virtuais dos artistas paraenses Anna Suav, Ana Clara + Meio Amargo, Thalia Sarmanho e Leo Chermont, que vão apresentar suas produções autorais contemporâneas no canal do YouTube.


Nas mesmas plataformas, para aquecer o diálogo sobre a temática do Festiverde, quatro entrevistas e um debate também serão apresentados. O cineasta Fernando Segtowick e o produtor cultural Juliano Bentes falam sobre como eles têm atuado para promover a sustentabilidade em seus trabalhos, de forma econômica, social e ambiental. Também contam seus relatos e experiências o produtor audiovisual Rodrigo Antônio e a designer de joias Barbara Muller.


“Para mim, é como o morador de um determinado lugar ser protagonista de um filme, como na história dos moradores do lago de Tucuruí que tantos anos depois continuaram sem energia. Buscamos nos aproximar das pessoas e ao invés de contratar pessoas de Belém, chamamos pessoas da comunidade, evitando por exemplo, deslocamentos de avião”, opina Fernando.

Na programação, as empreendedoras Tainah Fagundes, da Da Tribu - Moda Sustentável, e Renée Chalu, sócia da Se Rasgum Produções e idealizadora do Festival Se Rasgum, também discutem sobre “Como reduzir os impactos ambientais na produção artística?”, a partir de uma perspectiva da indústria da moda e da realização de eventos culturais.


Programação:

25/03 (Quinta)

20h - Shows com Anna Suav e Ana Clara + Meio Amargo + Entrevistas com Juliano Bentes e Fernando Segtowick (Youtube)

26/03 (Sexta)

17h - Debate “Como reduzir os impactos ambientais na produção artística?”, com Renée Chalu e Tainah Fagundes, com mediação de Carol Amorim (Instagram)

20h - Shows com Thalia Sarmanho e Leo Chermont + Entrevistas com Rodrigo Antônio e Bárbara Muller (Youtube)


Serviço

| O QUÊ: Festiverde

| QUANDO: 25 e 26 de março de 2021

| ONDE: Canal no Youtube e perfil no Instagram do evento

| MAIS EM: Perfil no Instagram do evento



Com informações da assessoria de imprensa.


#Belém

#festiverde

#festivalonline

#eventoonline

#música

#debate

#arte

#sustentabilidade

#LeiAldirBlancPará

9 visualizações