Duo instrumental Marapuama lança primeiro álbum

Atualizado: Mar 25


Duo instrumental registrou seu processo de composição apostando no simplismo sonoro para criar um universo de possibilidades criativas.


Crédito foto: Gabriel Darwich.


Com uma guitarra plugada direto no amplificador, sem efeitos e a bateria com formação básica: caixa, chimbal, bumbo, tom, surdo e ataque, o duo instrumental Marapuama apresenta nesta sexta, 26, o primeiro álbum nas principais plataformas de streaming. O álbum homônimo foi contemplado pelo edital de Música da Lei Aldir Blanc Pará.


A formação minimalista foi criada em 2019 e já ocupou uma variedade de palcos importantes, galerias e inferninhos de Belém. Marapuama é Thiago Pires e Emmanuel Penna, dois instrumentistas com história na música paraense. Todas as composições são feitas em conjunto, com um fragmento de ideia que um cria e é apresentado ao outro, que a completa no fluxo da criação da música. Juntos, eles desenvolvem uma história a cada faixa, que não funciona em ciclos, mas sim numa energia crescente que finaliza numa combustão criativa. Fazendo música instrumental, eles acreditam que a inovação vem do desafio da “limitação” que o formato propõe, extraindo o máximo de possibilidades da guitarra e bateria.


O álbum traz seis faixas inéditas. Para o baterista Emmanuel, é impossível que o trabalho não soe Rock, de alguma forma, já que a Marapuama é um suprassumo de todas as referências musicais dos instrumentistas e o Rock é muito presente na vida de jovens que cresceram nos anos 90 e 2000, como é o caso deles. Somado a isso, tem todo o background musical que eles trazem, de bandas covers, acompanhando diversos artistas autorais e do antigo projeto instrumental que fizeram parte, a banda Enquadro, está presente no som que é produzido pela Marapuama.


“Apesar da gente tocar instrumentos que as pessoas têm uma certa ideia do que é, guitarra e bateria, nossa sorte é que a gente consome esteticamente de tudo, desde os anos 40 até Trap, sempre tentando refinar a nossa sensibilidade. A gente ouve muita música que não é instrumental, músicas em que a letra é muito forte, como Bob Dylan, Zé Ramalho e Alcione. Como trazer essa vibe que essas pessoas, esses cantores, conseguem passar, trazer essa personalidade pro instrumental?”, instiga Emmanuel sobre a experimentação da banda.

O disco ainda vem acompanhado de um vídeo session com três músicas, que apresenta em formato ao vivo o ping-pong musical entre guitarra e bateria da Marapuama. Bastardo, Bumbá e Delírio foram as músicas escolhidas para o registro audiovisual. A última está presente no disco, ao lado de uma faixa Intro, de Carlos Bujaru — música feita em homenagem ao MG Calibre, baixista amigo da banda —, Lose Yourself To Punk, Prole e Construção, completam o álbum debut da dupla.


Capa do álbum que chega nesta sexta, 26.


O álbum homônimo da Marapuama tem o selo Na Figueredo e foi gravado com produção de Marcel Barreto, do Budokaos Studio. O projeto tem produção executiva da Psica Produções. Ele será lançado nesta sexta-feira, 26 de março, a partir da meia noite, em todas as plataformas digitais de música. O vídeo session estreia no YouTube da Casa Forno, às 19h.


Serviço

| O QUÊ: Lançamento álbum Marapuama

| QUANDO: 26 de março de 2021 às 0h

| ONDE: Principais plataformas de streaming de música

| MAIS EM: Perfil da banda no Instagram


Com informações da assessoria de imprensa.

#Pará

#Belém

#música

#marapuama

#lançamentoálbum

#LeiAldirBlancPará

23 visualizações